Furry Tales

Em Viagem, 2019
Curadoria de Márcia de Sousa e Rita Rodrigues
Centro Cultural Quinta Magnólia
Furry Tales é um work in progress que se desenvolve em diferentes dimensões: uma instalação de peluches, um ato performativo e a participação do público.
É uma instalação de peluches usados e de diversas proveniências, expostos de um modo desordenado no chão. Estes brinquedos (ou entidades), como se tivessem sido largados, estabelecem uma ligação com o projeto Ursus arctos barbeiticos, que aparece agora na Galeria Magnólia e empreende uma deriva que conduz a situações inesperadas e reveladoras.
Para além da dimensão performativa deste trabalho, associada às experiências de ação e interação do urso no espaço, podemos assistir a outra componente: a da participação do público, não só  através da acumulação de peluches, fazendo a instalação crescer ao longo do tempo,  como pela inevitável e permanente reconfiguração da instalação pelas mãos das crianças que visitam a exposição.
Em Furry Tales todos e cada um dos peluches espera a chegada de outros que possam ser trazidos, ao sabor das viagens dos visitantes até à Galeria Magnólia, e aos quais possam agregar as suas histórias.

Foi pedida a  contribuição generosa de todos os visitantes interessados em participar nesta ação de acumulação de apego superado, trazendo os peluches que tenham em casa. No fim do projeto, todas as doações serão distribuídas por instituições de solidariedade para que cada peluche volte a ter a sua função e continue a acumular histórias.
Furry Tales is a work in progress that develops in different dimensions: a steiff animals toys installation, a performative act and the participation of the public.
It is an installation of used teddies from different origins, exposed in a disorganized way on the floor. These toys (or entities), as if they had been dropped, establish a connection with the project Ursus arctos barbeiticos, which now appears in Galeria Magnólia and undertakes a drift that leads to unexpected and revealing situations. 
Besides the performative dimension of this work, associated with the experiences of action and interaction of the bear in the space, we can assist to another component: the participation of the visitors, not only by accumulating steiff animal toys, making the installation growing over the time, but also by the inevitable and continuous reconfiguration of the installation by the hands of the children who visit the exhibition. 
In Furry Tales all and each one of the teddies awaits the arrival of others that can be brought, due to the journeys of the visitors to the Magnolia Gallery, and to which they can add their stories.

The generous contribution of all visitors interested in participating in this action of overcoming attachment was requested, bringing the teddies they have at home. At the end of the project, all donations will be distributed by solidarity institutions so that each teddy can have its function again and continue to accumulate stories.